Acontecimentos históricos do dia 26 de Abril

1970 – É lançada festivamente a pedra fundamental do novo templo de alvenaria da Congregação Cristo (...)

|| Ato solene após o lançamento da pedra fundamental da nova igreja da Comunidade Cristo,  quando o pastor Guilherme Lüdke (em memória) reuniu um grupo de 24 jovens e o incumbiu para, de dois em dois, percorressem a cidade em busca de pessoas que não seguiam nenhum credo religioso e as encaminhassem a comunidade, em abril de 
Imagem: Acervo Hilda Hartleben Vorpagel
|| Ato solene após o lançamento da pedra fundamental da nova igreja da Comunidade Cristo, quando o pastor Guilherme Lüdke (em memória) reuniu um grupo de 24 jovens e o incumbiu para, de dois em dois, percorressem a cidade em busca de pessoas que não seguiam nenhum credo religioso e as encaminhassem a comunidade, em abril de
Imagem: Acervo Hilda Hartleben Vorpagel
|| Cartaz de propaganda estimulando os alemães a emigrarem para Santa Ctarina. 
Imagem: Acervo Memória Rondonens - FOTO 2 -
|| Cartaz de propaganda estimulando os alemães a emigrarem para Santa Ctarina.
Imagem: Acervo Memória Rondonens - FOTO 2 -
|| Tropas federais sob o comando do então General Rondon posicionadas em Medeiros, em 1925.
Imagem: Acervo Memória Paranaense - FOTO 3 -
|| Tropas federais sob o comando do então General Rondon posicionadas em Medeiros, em 1925.
Imagem: Acervo Memória Paranaense - FOTO 3 -
|| Revolucionários paulistas, em Porto Mendes.  Da esquerda à direita: João Cabanas -2º; Paulo K. C. Cruz-5º;  deputado gaúcho Batista Luzardo -7º;  Rodrigues Jesus – 8º;  Isidoro Dias Lopes – 9º e Juarez Távora, 11º. 
Imagem: Acervo Fundação Getúlio Vargas - FOTO 4 -
|| Revolucionários paulistas, em Porto Mendes. Da esquerda à direita: João Cabanas -2º; Paulo K. C. Cruz-5º; deputado gaúcho Batista Luzardo -7º; Rodrigues Jesus – 8º; Isidoro Dias Lopes – 9º e Juarez Távora, 11º.
Imagem: Acervo Fundação Getúlio Vargas - FOTO 4 -
|| Revolucionário Gaúcho Batista Luzardo e revolucionário paulista João Cabanhas, por ocasião da reunião com o alto comando  da Revolução, em Porto Mendes*.
Na foto, é relatado que o encontro foi em Foz do Iguaçu. Segundo o historiador Domingos Meirelles  este encontro do Alto Comando se deu em Porto Mendes.
Imagem: Acervo  Getúlio Vargas - FOTO 5 -
|| Revolucionário Gaúcho Batista Luzardo e revolucionário paulista João Cabanhas, por ocasião da reunião com o alto comando da Revolução, em Porto Mendes*.
Na foto, é relatado que o encontro foi em Foz do Iguaçu. Segundo o historiador Domingos Meirelles este encontro do Alto Comando se deu em Porto Mendes.
Imagem: Acervo Getúlio Vargas - FOTO 5 -
|| Cópia do Boletim nº 7 (página inicial) com o comunicado da entrada do grupo revolucionário em território paraguaio. 
Imagem: Acervo Projeto Memória Rondonense - FOTO 6 -
|| Cópia do Boletim nº 7 (página inicial) com o comunicado da entrada do grupo revolucionário em território paraguaio.
Imagem: Acervo Projeto Memória Rondonense - FOTO 6 -
|| Segunda página do Boletim nº 7 com o comunicado da entrada da divisão revolucionária  em território  do Paraguai. 
imagem: Acervo Projeto Memória Rondonense - FOTO 7 -
|| Segunda página do Boletim nº 7 com o comunicado da entrada da divisão revolucionária em território do Paraguai.
imagem: Acervo Projeto Memória Rondonense - FOTO 7 -
|| Página final do Boletim nº 7 da Divisão Revolucionária.
Imagem: Acervo Memória Rondonense - FOTO 8 -
|| Página final do Boletim nº 7 da Divisão Revolucionária.
Imagem: Acervo Memória Rondonense - FOTO 8 -
|| Vapor Bell usado pelos revolucionários para transpor o Rio Paraná para adentrar ao Paraguai.
Na foto, o navio carregando lenha num porto paraguaio para seguir viagem ao extinto Porto Britânia, 1907. 
Imagem: Acervo Museu Histórico Willy Barth - doador: Emilio Santiago Gröbli (Posadas, Argentina) - FOTO 9 -
|| Vapor Bell usado pelos revolucionários para transpor o Rio Paraná para adentrar ao Paraguai.
Na foto, o navio carregando lenha num porto paraguaio para seguir viagem ao extinto Porto Britânia, 1907.
Imagem: Acervo Museu Histórico Willy Barth - doador: Emilio Santiago Gröbli (Posadas, Argentina) - FOTO 9 -
|| Instalações de Puerto Artaza, de propriedade de Julio T. Allica, queimadas pelas tropas revolucionárias paulistas e gaúchas.
Imagem: Acervo livro
|| Instalações de Puerto Artaza, de propriedade de Julio T. Allica, queimadas pelas tropas revolucionárias paulistas e gaúchas.
Imagem: Acervo livro "Oeste Paranaense", de Lima Figueiredo - FOTO 10 -
|| Capa da 1ª revista
|| Capa da 1ª revista "Manchete", lançada em abril de 1952, destacando a bailarina Inês Litkowski do Teatro Municipal de Rio de Janeiro junto de uma carrugaem imperial.
Imagem: Acervo Biblioteca Nacional - FOTO 11-
|| Mirna Feiten eleita rainha dos estudantes do Colégio Cenecista Pio XII, do então distrito rondonense de Entre Rios, hoje município de Entre Rios do Oeste, em abril de 1975.
Imagem: Acervo Projeto Memória Rondonense/ Família Ariovaldo Luiz Bier - FOTO 12 -
|| Mirna Feiten eleita rainha dos estudantes do Colégio Cenecista Pio XII, do então distrito rondonense de Entre Rios, hoje município de Entre Rios do Oeste, em abril de 1975.
Imagem: Acervo Projeto Memória Rondonense/ Família Ariovaldo Luiz Bier - FOTO 12 -
|| Cesar Luiz Petri, nascido em abril de 1981, na companhia da esposa Zuleica Caroline e os filhos Julio Cesar e Luize Gabrieli, em março de 2023.
Imagem: Acervo Imprensa - Copagril - FOTO 13 -
|| Cesar Luiz Petri, nascido em abril de 1981, na companhia da esposa Zuleica Caroline e os filhos Julio Cesar e Luize Gabrieli, em março de 2023.
Imagem: Acervo Imprensa - Copagril - FOTO 13 -
|| Princesa Diana fotografada em frente as Cataratas do Iguaçu, em abril de 1991.
Imagem: Acervo 100 Froneiras - crédito Tim Grahn - FOTO 14 -
|| Princesa Diana fotografada em frente as Cataratas do Iguaçu, em abril de 1991.
Imagem: Acervo 100 Froneiras - crédito Tim Grahn - FOTO 14 -
|| Chefe de cozinha que preparou o buffet para a Princesa Diana para seu almoço no Hotel das Cataratas.
Imagem: Acervo pessoal - FOTO 15 -
|| Chefe de cozinha que preparou o buffet para a Princesa Diana para seu almoço no Hotel das Cataratas.
Imagem: Acervo pessoal - FOTO 15 -
|| Assinatura do Tratado de Itaipu entre o Brasil e O Paraguai pelos respectivos presidentes, Emilio Garrastazú Médice (d) e Alfredo Stroessner, em abril de 1973. 
Imagem: Acervo Alerta Paraná - FOTO  16 -
|| Assinatura do Tratado de Itaipu entre o Brasil e O Paraguai pelos respectivos presidentes, Emilio Garrastazú Médice (d) e Alfredo Stroessner, em abril de 1973.
Imagem: Acervo Alerta Paraná - FOTO 16 -
|| Composição da mesa da comemoração do 20º aniversário da assinatura do Tratado de Itaipu, entre o Brasil e o Paraguai, em abril de 1993.
Imagem: Acervo Waldir Guglielmi Salvan - FOTO 17 -
|| Composição da mesa da comemoração do 20º aniversário da assinatura do Tratado de Itaipu, entre o Brasil e o Paraguai, em abril de 1993.
Imagem: Acervo Waldir Guglielmi Salvan - FOTO 17 -
|| Professor  Saturnino Vasconcellos que tomou posse como secretário municipal de Esporte e Lazer, em  abril de 2016. 
Imagem: Imprensa - PM MCR
Crédito: Ademir Herrmann - FOTO 18 -
|| Professor Saturnino Vasconcellos que tomou posse como secretário municipal de Esporte e Lazer, em abril de 2016.
Imagem: Imprensa - PM MCR
Crédito: Ademir Herrmann - FOTO 18 -
|| Recorte noticioso do jornal O Presente ref. a campanha de arrecadação de novelos de lã do Rotary Club Guarani, em abril de  
Imagem: Acervo O Presente - FOTO  19 -
|| Recorte noticioso do jornal O Presente ref. a campanha de arrecadação de novelos de lã do Rotary Club Guarani, em abril de
Imagem: Acervo O Presente - FOTO 19 -
|| Scharles Abbeg, presidente do Lions Club de Marechal Cândido Rondon, e o professor membro do clube de serviço, Eloi Pickler, fazendo a entrega da premiação para a porimeira classificada no concurso
|| Scharles Abbeg, presidente do Lions Club de Marechal Cândido Rondon, e o professor membro do clube de serviço, Eloi Pickler, fazendo a entrega da premiação para a porimeira classificada no concurso "Cartaz da Paz", em abril de
Imagem: Acervo O Presente - FOTO 20 -
|| Premiação para a segunda colocada no concurso
|| Premiação para a segunda colocada no concurso "Cartaz da Paz", edição 2018/2019.
Imagem: Acervo O Presente - FOTO 21 -
|| Premiação da 3ª colocada no concurso do
|| Premiação da 3ª colocada no concurso do "Cartaz da Paz".
Imagem: Acervo O Presente - FOTO 22 -
|| Vereador Adriano José Cottica anunciando como integrantes do diretório nacional do PP, em fim de abril de 2019. 
Imagem: Acervo Câmara Municipal de Marechal Cândido Rondon - FOTO 23 -
|| Vereador Adriano José Cottica anunciando como integrantes do diretório nacional do PP, em fim de abril de 2019.
Imagem: Acervo Câmara Municipal de Marechal Cândido Rondon - FOTO 23 -
|| Poente em Marechal Cândido Rondon,  no dia 26 de abril de 2023.
Fotografia clicada desde o pier do Clube Naútico, no distrito rondonense de Porto Mendes.
Imagem: Acervo e crédito da pioneira rondonense Ilda Bet - FOTO 24 -
|| Poente em Marechal Cândido Rondon, no dia 26 de abril de 2023.
Fotografia clicada desde o pier do Clube Naútico, no distrito rondonense de Porto Mendes.
Imagem: Acervo e crédito da pioneira rondonense Ilda Bet - FOTO 24 -
|| Pôr do sol na cidade de Cascavel, em 26 de abril de 2024.
Imagem: Acervo Tarobá Cascavel - crédito de Ailton Santos/ Facebook - FOTO 25 -
|| Pôr do sol na cidade de Cascavel, em 26 de abril de 2024.
Imagem: Acervo Tarobá Cascavel - crédito de Ailton Santos/ Facebook - FOTO 25 -
|| Por do sol em Marechal Cândido Rondon, fotografado desde o Clube Náutico, no distrito de Porto Mendes, em 26 de abril de 2024.
Imagem: Acervo e crédito da pioneira rondonense Ilda Bet - FOTO 26 -
|| Por do sol em Marechal Cândido Rondon, fotografado desde o Clube Náutico, no distrito de Porto Mendes, em 26 de abril de 2024.
Imagem: Acervo e crédito da pioneira rondonense Ilda Bet - FOTO 26 -
|| Contabilista rondonense Ademir Oscar Dreher homeangeado em abril de 2024.
Imagem: Acervo Jane Magele Rockembach Weber - FOTO 27 -
|| Contabilista rondonense Ademir Oscar Dreher homeangeado em abril de 2024.
Imagem: Acervo Jane Magele Rockembach Weber - FOTO 27 -

1849 — Com a ratificação do compromisso de colonização entre os Princípes de Joinville — irmã e cunhado de D. Pedro II — e o político e empresário alemão Christian Mathias Schroeder, principia a ocupação das terras do nordeste do estado de Santa Catarina, com imigrantes alemães. 

A maior referência do sucesso da colonização é a cidade de Joinville, hoje (13.02.2019), maior pólo industrial catarinense. Praticamente, todas as indústrias foram fundadas por imigrantes ou seus descendentes.

A colonização alemã em solo catarinense começa em 1828, com a chegada de 523 famílias alemãs da região da Hunsrück e do Principado de Luxemburgo, católicas, que se fixaram em São Pedro de Alcântara. 

Muitos descendentes dos imigrantes alemães do nordeste catarinense migraram nas décadas 1960 e 1970 para o município de Marechal Cândido Rondon, mas especificamente para o então distrito de Mercedes, hoje município (nota do pesquisador). -- FOTO 2 --

___________________________________

1896 — "Nasce em Caxias do Sul, Rio Grande do Sul, o pioneiro de Toledo, Raimundo Leonardi, homenageado com a denominação de rua da Prefeitura da cidade" (COSTA, Luiz Alberto Martins da. Calendário Histórico de Toledo — Cronologia de Fatos, Registros e Curiosidades da História do Município de Toledo. Toledo: GFM Gráfica & Editora, 2009, p. 89).

___________________________________

1925 — Miguel Costa, paulista, comandante da 1ª Divisão Revolucionária, mais conhecida como Coluna Prestes¹, mais tarde assim referenciada, acantonada em Porto Artaza (no atual município de Marechal Cândido Rondon, PR) publica o Boletim nº 7.

Pelo comunicado o miltar dá a conhecer, por estar circundada pelas tropas federais comandadas pelo General Rondon, a divisão transporia o Rio Paraná e adentraria o território paraguaio, violando a soberania daquele país, para alcançar o Mato Grosso e dar continuidade ao movimento de subelevação.

A passagem do Rio Paraná é concluída no dia 29 de abril (LIMA, Lourenço Moreira. A Coluna Prestes - Marchas e Combates. São Paulo: Editora Alfa-Omega, 1979, p. 127 a 129, 3ª edição; e MEIRELLES, Domingos. As Noites das Grandes Fogueiras - Uma História da Coluna Prestes. São Paulo: Editora Record, 1999, p. 371 a 375, 6ª edição)


Antecedentes
 

Em 20 de março de 1925, as tropas insurretas paulistas (Revolução Paulista de 1924, ver aqui) entrincheiradas para combate na Serra dos Medeiros, no atual município de Catanduvas (PR), se rendem às forças federais comandadas pelo general Cândido Mariano da Silva Rondon, com QG na cidade de Ponta Grossa:
 

“Estão quase todos doentes e descalços, com unhas grandes e sujas, as mãos e os cabelos longos endurecidos pela lama, o corpo enrolado em trapos que lembram vagamente restos de um uniforme militar; outros nem isso: usam apenas tangas de palmeira. Muitos, com o livor da morte nas faces escavadas, rendem-se amparados pelos companheiros, porque não têm forças para caminhar".
 


Meses instalados em valas enlameadas pelas chuvas torrenciais na época no Paraná, sem troca de roupas e sem higiene pessoal e sem alimentação adequada, os rebeldes minguam acometidos por pragas e doenças (MEIRELLES, p.354 e 355).

A derrocada em Catanduvas é atribuída ao atraso dos combatentes gaúchos liderados por Luiz Carlos Prestes em chegar ao Oeste do Paraná. Uma demora de mais de três meses e, para decepção dos rebeldes paulistas, uma força muito aquém daquela prometida pelo coronel Francisco José, de 4 mil homens. Não passa de 800 homens (ib. p. 364).

O degradante revés na Serra dos Medeiros abala profundamente o ânimo da oficialidade e combatentes paulistas insurgentes. Abatidos, a maioria pensa em abandonar a luta e refugiar-se na Argentina. Enquanto isso, os rebeldes gaúchos, insuflados por Prestes, demonstram a disposição ímpar de prosseguir com a revolta. Sentiam-se vitoriosos depois de uma marcha de mais de três meses, desde o Rio Grande do Sul, abrindo picadas nas matas catarinenses e no inóspito sertão do Oeste do Paraná para se somar aos rebelados paulistas.

Em um discurso contundente e apaixonado junto à oficialidade dos dois grupos, Prestes enfatiza que seus comandados estão dispostos para que a luta continue contra o Governo Central, e que não passa na cabeça de seus homens qualquer rendição e, muito menos, um exílio voluntário.  Boa parte dos oficias revolucionários paulistas abandonam o recinto, vendo em Prestes tão somente um visionário, menos o general Miguel Costa, que compactua publicamente com a tese do líder gaúcho.

Durante a reunião também é decidido que o General Isidoro Dias Lopes, protagonista da Revolução, por causa da idade e do enfraquecimento físico, deve deixar o comando-geral e refugiar-se na Argentina. Lopes faz opção por Encarnación, no Paraguai, onde tem muitos amigos e pode manter contatos políticos.

Com a prevalência da proposta prestesiana, a nova força amotinada com cerca de 1.500 homens, entre gaúchos comandados por Luiz Carlos Prestes, e paulistas sob a liderança do General Miguel Costa, decide abandonar o Paraná — devido o avanço das forças federais em diversas frentes — e continuar a luta da insurgência no Mato Grosso (ib. p. 365, 366 e 367).

Sem condições de travessia em Guaíra, já reconquistada pelos militares leais ao Presidente Arthur Bernardes, assim como na região de Santa Helena, os revoltosos agrupados em Porto Mendes vêem uma única alternativa para não serem apanhados pelos contingentes federais: cruzar o Rio Paraná o mais breve possível e adentrar ao Paraguai e tomar caminho imediato para o Mato Grosso para seguir com a insurreição (ib. p. 368).

Na madrugada de 26 de abril, com a lancha Assis Brasil¹, construída pelos rebeldes em Foz do Iguaçu, e mais o vapor Bell², de propriedade de uma empresa argentina de navegação, aprisionado pelos insurgentes, começa a perigosa travessia do Rio Paraná com o desembarque de homens e aparato militar no Porto Adela.

 A movimentação no porto paraguaio desperta a atenção da pequena guarnição de fronteira do país vizinho, que entra em prontidão para rechaçar os invasores, por ordem do comandante da guarnição do ponto de fronteira, “um capitão baixo, gordinho, que percebe a intenção dos rebeldes e ordena que seus homens tomem posição de ataque contra os invasores” (ib p. 371).

Irredutível no começo para qualquer diálogo, exigente para que os brasileiros se entreguem ou que retornem imediatamente ao outro lado do rio, o capitão guarani, aos poucos, vai cedendo e dá ouvidos aos oficiais brasileiros rebelados. A conversa é tensa e nervosa. O oficial João Alberto, em companhia de Nestor Veríssimo, um dos “coronéis” gaúchos da revolução, explica ao comandante da guarnição de Porto Adela que “o exército revolucionário quer apenas atravessar o território paraguaio para se livrar do cerco do Governo e que o alto-comando estava disposto a lhe dar, por escrito, todas as garantias que exigisse, isentando de qualquer tipo de responsabilidade, por não resistir à invasão, diante da superioridade das forças rebeldes” (eram 1.500 homens contra 50 soldados). O capitão paraguaio não cede à explicação e se mantém firme no propósito de repelir os invasores, mesmo conhecendo o desequilíbrio do poder para atacar (ib. p. 372).

Mesmo tendo pensando em dominar o oficial paraguaio à força física, numa luta corporal, João Alberto retoma o diálogo e, aos poucos, com muito jeito, consegue  persuadir o militar guarani que o uso de armas implicava no massacre de sua diminuta corporação em vista da superioridade do grupo revolucionário e ambos deveriam resolver a situação amistosamente sem derramamento de sangue. Ao diálogo, o brasileiro acrescenta uma mentira que “fraqueja as pernas” do militar superior de Porto Adela, que enfim consente com a passagem dos amotinados pelas terras paraguaias:“ O senhor deve compreender que, como somos militares, não iríamos lhe fazer esta proposta se já não tivéssemos desembarcado tropas ao norte e ao sul do seu país. O Paraguai já está sendo invadido pelas forças revolucionárias”.

A mentira é derradeira. O comandante da fronteira guarani permite a passagem, sem maiores exigências, a não ser a assinatura de um documento nos termos por ele desejado.  A declaração é elaborada por Juarez Távora e firmada pelos alto-comandantes da divisão recolucionária (ib. p. 373).                                                

Em 72 horas, dia e noite, os vapores Bell e Assis Brasil fazem o transbordo de aproximadamente 1.500 homens, mais de 600 cavalos, barracas de campanha, víveres, munição e todo o material bélico. A travessia nem estava bem concluída, os revolucionários já iniciam marcha rumo ao Mato Grosso, cumprindo rigorosamente o compromisso assumido com o chefe militar em Porto Adela (ib. p. 374 e 375).

Nos dias que a divisão revolucionária estava acontonada em Porto Mendes, antes de passar à margem paraguaia, a tropa antibernardista inflige grande devastação à propriedade de Allica (Puerto Artaza), como conta Lima Figueiredo: "Como represália ao auxílio que Don Allica procurava dar ao governo de então, todas as suas propriedades foram queimadas e o velho ervateiro até hoje espera a indenização pelos danos sofridos" (FIGUEIREDO, Lima. Oeste Paranaense. São Paulo: Companhia Editora Nacional - Série 5ª Brasiliana, vol. 97 - Biblioteca Pedagógica Brasileira, 1937; 110 e 111). -- FOTOS 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9 e 10 --
 

¹ A navegabilidade da embarcação foi potencializada com um motor de automóvel. Um grupo de revoltosos ficou com a lancha de espreita às margens do Rio Paraná, próximo a Puerto Artaza, aguardando a chegada do vapor Bell, para sequestrá-lo. No episódio do assalto ao navio, foi morto o contabilista de Julio Allica e outro passageiro, quando foi metralhada pelos assaltantes a canoa com a qual tentaram escapar para o lado paraguaio (Movimento Revoltoso. A Federação. Porto Alegre: Ano XLII, nº 130, ed. 05 de junho de 1925, p. 3 - Biblioteca Nacional Digital).
 

² Este vapor pertencia ao argentino Domingo Barthe, empresário estabelecido em Posadas (nota do pesquisador)

_____________________________________

1952 — Circula a primeira edição da extinta revista Manchete, editada pela Bloch Editores, da cidade do Rio de Janeiro. Competia com a revista O Cruzeiro, publicada pelos Diários Associados, de Assis Chateuabriand. 

O último número de Manchete é publicado em 29 de julho de 2000. 

Em Marechal Cândido Rondon, a revista era vendida pelo Bazar Schmitz, da pioneira Helena Schimtz, a partir dos anos de 1960. Anos mais tarde, a revenda da magazine é feita pelaa Livraria Paraná, de Jorge Miguel Vasques.

A publicação teve um bom número de leitores em Marechal Cândido Rondon (nota do pesquisador). -- FOTO 11 --

___________________________________

1955 — "Chegam os pioneiros do distrito de Novo Sobradinho, de Toledo (PR), Hilberto e Lucila Rohr, recém casados e vindos de Santa Cruz do Sul, Rio Grande do Sul. Como não tinham mudança, trouxeram apenas algumas roupas em bolsas e malas. Para morar, construíram pequena casa de madeira, coberta de tabuinhas e conseguiram com vizinhos alguns móveis, incluindo a cama do casal (COSTA, Luiz Alberto Martins da. Calendário Histórico de Toledo — Cronologia de Fatos, Registros e Curiosidades da História do Município de Toledo. Toledo: GFM Gráfica & Editora, 2009, p. 89).

____________________________________

1970 — É lançada festivamente a pedra fundamental do novo templo de alvenaria da Congregação Cristo (IELB). Após a solenidade de assentamento do primeiro tijolo da nova igreja,  o pastor Guilherme Lüdke¹ reúne um grupo de jovens e incumbe estes,  para que, de dois em dois, percorressem a cidade em busca de pessoas que não seguiam nenhum credo religioso e as encaminhassem à congregaçãpo (nota do pesquisador). -- FOTO 1 --
 

¹ Foi um segundo religioso a fazer atendimento a Comunidade Cristo (id.). 
 

Ver mais, clique aqui

___________________________________

1973 — O Brasil e a República do Paraguai firmam o Tratado de Itaipu para aproveitamento do potencial hidrelétrico do Rio Paraná, desde os Saltos das Sete Quedas até a foz do Rio Iguaçu (nota do pesquisador). -- FOTO 12 --

___________________________________

1975 — Em baile, os estudantes do então Ginásio Pio XII, de Entre Rios do Oeste, por seu Grêmio Estudantil 2001, elegeram como sua rainha a estudante Mirna Feiten (nota do pesquisador). -- FOTO 13 --

___________________________________

1978 — A Rodovel, revendedora Ford, recém instalada em Marechal Cândido Rondon, recebe a primeira carga de veículos da marca, modelos Belina e Corcel (Rádio Difusora do Paraná AM. Frente Ampla de Notícias. Marechal Cândido Rondon: vol. 43, de 05.04.1978 a 17.05.1978, p. B-184. Programa de Rádio).

___________________________________

1981 — Nasce o rondonense Cesar Luiz Petri, futuro diretor vice-presidente¹ da Cooperativa Agroindustrial Copagril, no distrito rondonense de Margarida, Linha Campos Sales, filho do casal Terezinha e Vilson Petri.

Casou-se com Zuleica Caroline Suski e com ela constitui família com o nascimento dos filhos Julio Cesar e Luize Gabrieli.

É bacharelado em Administração de Empresas com ênfase em Gestão Ambiental pela extinta Faculdade Luterana Rui Barbosa (FALURB), de Marechal Cândido Rondon (PR), "tendo sido o acadêmico laureado da turma". Tem MBA de gestão empresarial pela Fundação Getúlio Vargas (Revista Copagril. Marechal Cândido Rondon: ano 19, ed. 127 — janeiro/fevereiro/marco 2023, p. 8 e 9). -- FOTO 14 --
 

¹ Foi eleito em 31 de janeiro de 2023. 

___________________________________

1984 — Pela Lei Municipal nº 1.179, o município de Toledo altera o nome do Estádio Municipal Ney Braga, "inaugurado em 1982, para Estádio Municipal 19 de Dezembro". A medida legislativa devolve o nome original à primeira praça de futebol da cidade, construída "nos anos 60 na quadra do Terminal Rodoviário Intermunicipal" (COSTA, Luiz Alberto Martins da. Calendário Histórico de Toledo — Cronologia de Fatos, Registros e Curiosidades da História do Município de Toledo. Toledo: GFM Gráfica & Editora, 2009, p. 90).

___________________________________

1987 — "Índios avá-guarani, da Reserva dea Jacutinga, em Sõa Miguel do Iguaçu (PR), querem de volta 1.270 hectares de teriras perdidos para o Lago de Itaipu, há 5 anos. dos 1,5 mil hectares, sobraram apenas 230, insuficientes para o sustento da tribo" (COSTA, Luiz Alberto Martins da. Calendário Histórico de Toledo — Cronologia de Fatos, Registros e Curiosidades da História do Município de Toledo. Toledo: GFM Gráfica & Editora, 2009, p. 89).

___________________________________

1989 — A cooperativa Sudcoop, agora Frimesa Cooperativa Central, lança na cidade Toledo (PR), no salão de eventos do Olinda Park Hotel, o Sal Mineral Iguaçu, de sua produção, para atender criadores associados de cooperativas singulares (LEDUC, Lincoln). Panorama. Marechal Cândido Rondon: Rádio Difusora do Paraná AM, vol. 021, cad. março e abril de 1989, fls. 250 e 255. Programa de Rádio).

___________________________________

1991 — A princesa Daiana visita as Cataratas do Iguaçu. Após a visita de 45 minutos, a então esposa do Princípe Charles da Grâ Bretanha, almoça no Hotel das Cataratas, um buffet especialmente preparado pelo chef Rodolfo Pedro de Morais (100 Fronteiras - Online). -- FOTOS 15 e 16 --

___________________________________ 

1993 — Em evento festivo na cidade de Foz do Iguaçu, a diretoria da Itaipu Binacional comemora os 20 anos da assinatura do Tratado de Itaipu. Na data da efeméride, o diretor financeiro da diretoria brasileira da empresa binacional era o economista rondonense Elio Edvino Winter (nota do pesquisador). -- FOTO 17 --

___________________________________

2016 — Toma posse como secretário de Esporte e Lazer de Marechal Cândido Rondon, o professor universitário Saturnino Vasconcelos (imprensa - PM-MCR) -- FOTO 18 -- 

___________________________________

2017 — Acontece no campus de Marechal Cândido Rondon da Unioeste, no Tribunal do Júri, o 1º Encontro Regional de Desenvolvimento Rural Sustentável, para celebrar a implantação do doutorado do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural Sustentável (O Presente. Marechal Cândido Rondon: ed. 25 de abril de 2017, p. 25).

___________________________________

2018 — O município de Mercedes inaugura uma cisterna para aproveitamento de água de chuvas, na localidade de Sanga Alegre, construída via projeto idealizado pela Itaipu Binacional (O Presente. Marechal Cândido Rondon: ed. 01 de maio de 2018, p. 21). 

___________________________________

2019 — O jornal O Presente noticia que Rotary Club Guarani, da cidade de Marechal Cândido Rondon, iniciou campanha de arrecadação de novelos de lã para o seu projeto Tricotando pela Vida.

 A proposta é prover os pacientes em tratamento de câncer na Uopeccan e idosos de asilos rondonenses com acessórios de vestuários e proteção durante o próximo inverno (O Presente. Marechal Cândido Rondon: ed. 26 de abril de 2019, p. 13).  -- FOTO 19 --

___________________________________

2019 — O Lions Club de Marechal Cândido Rondon faz a entrega da premiação aos alunos classificados na abrangência do concurso "Carta da Paz" edição 2018/2019 (O Presente. Marechal Cândido Rondon: ed. 30 de abril de  2019). -- FOTOS 20, 21 e 22 --

___________________________________

2019 — O deputado federal José Carlos Schiavinatto anuncia durante encontro regional na cidade de Marechal Cândido Rondon, que o vereador rondonense Adriano Cóttica fará parte do diretório nacional do Partido Progressista (O Presente. Marechal Cândido Rondon: ed. 30 de abril de 2019, p. 09). -- FOTO 23 --

___________________________________

2022 — O município de Marechal Cândido Rondon tem registrado 38 produtores de alimentos orgânicos (O Presente. Marechal Cândido Rondon: ed. 26 de abril de 2022, p. 14 e 15).

___________________________________

2022 — A  terça-feira é de céu pleno em Marechal Cândido Rondon e no Oeste do Paraná. Ventos do quadrantes Nordeste, fracos. Temperaturas entre 22 e 28 graus (nota do pesquisador).

___________________________________

2023 — A quarta-feira amanhece com céu encoberto com nebulosidade tipificada como stratocumulus. A nebulosidade se manteve até próximo ao final da tarde. Ocorrem chuviscos pontuais. Temperatura ao alvorecer é de 22 graus e máxima dia chega até 28 graus (nota do pesquisador). -- FOTO 24 --

___________________________________

2024 — É sexta-feira. O dia amanhece na cidade de Marechal Cândido Rondon com temperatura de 21 graus e ventos do quadrante Nordeste, fracos. Céu com presença de filamentos de nuvens identificadas como cirrus. A temperatura máxima do dia alcança os 28 graus com sensação térmica de 31° Celsius (nota do pesquisador). -- FOTOS 25 e 26 --

_________________________________________

2024 — A Associação dos Contabalistas de Marechal Cândido Rondon (ACOMAR) presta homenagem ao contabilista Ademir Oscar Dreher, proprietário do Escritório Contábil Pirâmide e sócio fundador da entidade classista, por seus mais de 30 anos de atuação na profissão de "guarda livros" (nota do pesquisador). -- FOTO 27 --

___________________________________

 

Compartilhe

COMENTÁRIOS

Memória Rondonense © Copyright 2015 - Todos os direitos reservados